E se fosse você?

Sabias palavras Maria…

Uma Caipira na Suécia

Não é de hoje que ouço gente afirmar que a Europa está indo para o buraco por causa da imigração em massa de muçulmanos, africanos e “ciganos” – gente que não tem olhos azuis, é preguiçosa, quer viver a custa dos benefícios do governo e não contribui em nada para preservar o modo de vida “mais do que lindo” do velho mundo. Na Suécia, já ouvi muitos brasileiros e brasileiras afirmarem inclusive que odeiam ter que pagar impostos por para “sustentar” essa gente.

Gente que buscou e ou busca a vida na Suécia pelos mesmos motivos que tanta gente (das quais recebo emails diariamente): qualidade de vida. É engraçado que, pela lógica do senso comum, esses estrangeiros vem mamar as tetas do governo e vão destruir o impecável sistema social sueco. Talvez eu esteja sendo ousada demais, mas qual é a diferença entre uma brasileira que muda para a Suécia…

Ver o post original 906 mais palavras

JUSTIÇA SUECA PRORROGA POR MAIS 15 DIAS PRISÃO DE BRASILEIRA

Então gente, sei que ando um pouco sumida, mas gostaria de compartilhar com você uma notícia vinda direto das terras geladas para alertar àquelas pessoas que sonham em imigrar para a Suécia, ou para qualquer outro país, que tomem todos os cuidados do mundo para que o sonho não se torne uma roubada.

Esta é uma situação um pouco extremada, mas cada país tem a sua lei independente da nossa vontade, e este foi apenas um caso mostrado. Quem sabe quantos mais existam por aí e nós não temos conhecimento algum? Por isso meus amigos, todo o cuidado é pouco.

Príncipes encantados talvez existam, porém, a probabilidade de engolirmos os sapos é infinitamente maior. Propostas de empregos tentadoras também estão espalhadas em todos os lugares, com salários inimagináveis mesmo exigindo quase nenhuma qualificação. Para quê viver no Brasil se posso ter um futuro dígno na Europa ou no Oriente Médio? Boa pergunta, mas vale pequisar bastante e pensar duas vezes antes de deixar o conforto e a segurança do seu lar por uma armadilha. Muitos são os casos de prostituicão e cárcere privado de pessoas. Existem ainda os casos de pessoas que são aliciadas e desaparecem, por culpa dos traficantes de órgãos.

Claro que não quero dizer que o fato de imigrar e tentar a sorte em um outro lugar irá necessáriamente te colocar em maus bocados, mas necessáriamente não te levará ao paraíso. Espero que entendam o meu ponto de vista. Faço esta colocação baseada na quantidade de pessoas que entram em contato comigo aqui pelo blog ou pelo Facebook querendo saber sobre a maravilha que é morar na Suécia. Sobre a facilidade de encontrar emprego e até mesmo um/a viking para chamar de seu/sua.

Esta matéria foi originalmente divulgada no site Revista Época Negócios, em 29/05/2015. Veja aqui a matéria original.

Por: Marcela Bourrou

A brasileira Roberta Santalucia, que está presa na Suécia, deve ficar detida por pelo menos mais 15 dias. A Justiça sueca de primeira instância decidiu prorrogar, nesta sexta-feira (29/05), a prisão de Roberta, por considerar que há risco de fuga caso ela seja colocada em liberdade, segundo o embaixador do Brasil no país, Marcos Gama.

Roberta chegou à Suécia no dia 15 de maio com seu filho Lucas, de 10 anos e foi detida logo depois. Eles viajaram ao país por causa de uma disputa judicial pela guarda da criança. Lucas é fruto da relação de Roberta com o dinamarquês Soren Aagesen, que mora na cidade sueca de Malmö. Ela e o pai da criança estão separados há mais de oito anos e, desde então, Roberta vive no Brasil com Lucas. Porém, o pai brigava na Justiça pela guarda do menino. Lucas está com o pai desde que sua mãe foi presa.

O embaixador brasileiro afirmou que atualmente Roberta pode se comunicar apenas com o advogado que a está representando na Suécia, com ele e com o vice-cônsul. Ela não tem notícias sobre o filho nem pode manter contato com outros familiares. Lucas só fala português, língua que o pai não fala. Ele tem Síndrome de Asperger, transtorno relacionado ao autismo.

Para chamar atenção para o caso, Roberta está há quatro dias em greve de fome.

“Ela veio para a Suécia para apoiar o filho nesse processo. Estamos muito preocupados”, afirmou Gama. “A criança está em situação de extrema vulnerabilidade. O pai está cooperando pouco”, diz o embaixador. Após muita insistência, Soren concordou em receber um representante da embaixada brasileira. O vice-cônsul tinha um encontro com pai e filho marcado para esta sexta-feira (29).

O processo

No início deste mês, a 11ª Turma do Tribunal Regional Federal da 3º Região decidiu, por unanimidade, que Lucas deveria voltar para o país onde morava na época da separação. Isso porque, segundo a Convenção de Haia, quem deve decidir sobre a guarda do menino é a Justiça do país onde a criança residia na época da separação. “A questão aí é quem decide sobre a guarda da criança. O domicílio dele era a Suécia, então o poder Judiciário competente para decidir é o sueco”, afirmou a desembargadora Maria Cecília Mello, que participou da decisão. O caso, segundo Cecília, é muito parecido com o do menino Sean Goldman. Segundo a Justiça brasileira, Roberta teria tirado o filho ilegalmente de sua casa.

Roberta viajou como acompanhante de Lucas no dia 13 de maio por vontade própria – a decisão exigia que apenas o menino embarcasse para a Suécia. Com Lucas tem Síndrome de Asperger, transtorno relacionado ao autismo, a mãe considerou que ele não tinha condições de viajar sozinho.

Suas passagens foram pagas pelo pai da criança, que também estava no avião que os levou para Estocolmo. De Estocolmo, eles pegaram um trem para Malmö. Ela foi presa logo depois de desembarcar.

Segundo a desembargadora Maria Cecília, as autoridades suecas haviam enviado um ofício afirmando que não existia ordem de prisão pendente contra Roberta no país escandinavo. De acordo com o embaixador Marcos Gama, o documento de 2013 garantia que ela não corria o risco de ser detida, apesar de estar sob investigação.

Segundo a embaixada da Suécia no Brasil, as autoridades do país nunca forneceram nenhuma garantia a respeito de procedimentos criminais. “Escritórios do governo sueco não têm influência sobre órgãos judiciais”, diz o comunicado.

Ainda de acordo com a embaixada, a prisão de Roberta foi motivada pela acusação de que ela  teria cometido sequestro ao levar Lucas para o Brasil em 2008. Na época, os dois moravam em Malmö com o pai da criança. “O sequestro de crianças é considerado crime grave na Suécia. As autoridades brasileiras foram informadas de que uma investigação preliminar sobre a suspeita que pesava sobre a mãe estava em curso”, diz o posicionamento. “Logo depois de a mãe vir para a Suécia ela foi questionada em matéria penal e passou a ser representada por um advogado de defesa. A corte depois decidiu deter a mãe por suspeita de conduta arbitrária agravada relativa a uma criança. A mãe está atualmente em custódia”.

O caso ganhou repercussão nesta quinta-feira (28/05), após o secretário de Direito Humanos e Cidadania de São Paulo, Eduardo Suplicy, colocar em seu Facebook uma carta de Roberta endereçada à presidente Dilma Rousseff.

Na carta, Roberta diz que possui a guarda da criança desde abril de 2008. Ela também afirma que não tem notícias do menino desde 15 de maio. Ele estaria na casa do pai, na cidade de Malmö. No texto, ela diz que o filho se comunica somente em português e não tem dupla cidadania. “Eu fui tratada como uma criminosa”, escreveu.

Gama afirmou ainda que a embaixada brasileira do país só tomou conhecimento do caso após a prisão de Roberta. “Se soubéssemos que ela viria para cá, estaríamos com um funcionário no aeroporto de Estocolmo”, disse. Com a prorrogação da detenção, a estratégia da defesa a partir de agora deve ser levar o caso para instâncias superiores da Justiça sueca. “Ela é uma mãe, uma cidadã brasileira, tentando proteger um cidadão brasileiro”, afirmou o embaixador.

Trajetória

O advogado Mauricio Macedo, atual marido de Roberta, disse que acionou a embaixada do Brasil na Suécia após Roberta parar de dar notícias durante a viagem. Até sua prisão, ela mandava mensagens com frequência para informar o que estava acontecendo. Macedo diz que se considera o pai afetivo de Lucas. “A referência que ele tem de pai sou eu”. Ele também afirma que Soren nunca propôs nenhum acordo para resolver a questão da guarda da criança.

Macedo conta que Roberta engravidou há dez anos, quando passava as férias na Dinamarca. Ela voltou para o Brasil e teve Lucas aqui. Depois, Soren veio ao país para visitar a criança e registrá-la em seu nome. Meses depois, os três passaram a morar juntos em Malmö e Roberta se casou com Soren. O dinamarquês teria prometido a ela que permitiria que ela voltasse para o Brasil com o filho. Sem ver a promessa se concretizar, segundo Macedo, Roberta procurou a embaixada brasileira na Dinamarca e conseguiu voltar para o país com Lucas.

De acordo com Macedo, Lucas viu o pai biológico apenas duas vezes nos últimos oito anos.

Dilma foi acionada

Eduardo Suplicy enviou uma mensagem para a presidente Dilma Rousseff sobre o caso. “Tenho a convicção que, ao ler a carta da senhora Roberta, que tem dedicado todos os momentos de sua vida e suas energias para cuidar do bem estar de seu querido filho Lucas, de 10 anos, autista, Vossa Excelência tomará as medidas necessárias junto às autoridades suecas para que, de pronto, possa Roberta estar junto ao seu filho”, diz o ex-senador no texto encaminhado para a presidente, junto com a carta de Roberta. Em entrevista à Época NEGÓCIOS no final da tarde desta quinta-feira (28), Suplicy afirmou ainda não ter recebido uma resposta oficial da presidente.

Parabéns para mim!

DSC_0275

Foto: Karine Bäckman

Aproveite o tempo em sua conta

Imagine que você tivesse ganho uma competição cujo prêmio fosse que um banco abrisse todas as manhãs uma conta em seu nome com 86 400 coroas. Cada jogo tem uma regra, este aqui porém, 2. A primeira é que todo o dinheiro que você não tenha gasto desaparece da conta quando um novo dia se inicia. Não se pode trapacear transferindo o restante para uma outra conta, tem que utilizá-lo.

Mas, à cada manhã o banco abre uma nova conta em seu nome com novas 86 400 coroas para ser usado durante o dia.

Regra número 2 é que o banco pode acabar com o jogo sem aviso prévio. Quando quiser, o banco notifica que o jogo acabou, sua conta é encerrada e que uma nova conta não será aberta no dia seguinte. O que você faria com todo este dinheiro?

Faria coisas divertidas, compraria presentes para amigos e familiares, compraria um presente para você mesmo, aproveitaria para comer e beber coisas gostosas que nunca havia experimentado? Você ao certo encontraria muitas coisas para fazer com o dinheiro, mas com certeza não seria fácil gastar 86 400 coroas em um dia.

O FANTÁSTICO é que este banco maravilhoso existe. É o tempo! Todas as manhãs quando acordamos recebemos 86 400 segundos de vida para usarmos, e o que não usamos disperdiçamos. Ontem é passado. Todas as manhãs a mesma mágica, 86 400 segundos de vida. Mas mesmo a vida tem regras que não podemos burlar, “a conta” pode ser fechada a qualquer minuto, repentinamente. A vida pode acabar a qualquer instante.

Então, o que faremos com nossos 86 400 segundos diários? O que você faz? Por certo é bem mais importante os segundo de vida do que as caroas, não?

Tradução livre do texto retirado da revista Reflex, edição 3 de 2014. 

Dizem que o mes que antecede o nosso aniversário é um período chamado inferno astral. Os últimos 15 dias, os piores. Eu, definitivamente, nunca senti este período até porque não me considero uma pessoa lá com tanta sorte assim para poder sofrer com algum tipo de decepcão pré-aniversário ou inferno astral. Não mesmo!

Este ano, às vésperas de completar 42 primaveras, o que acontece é que tenho sentido um despertar. Nestes últimos 5 anos tenho que vivido meio que em um limbo, não muito contente com os acontecimentos ou desenrolar da vida, mas ainda assim agradecendo pelo que tenho conseguido: família, marido, emprego, Branca… o problema é o sentimento de vazio, de que nada novo está para acontecer, isso tem me matado aos poucos dia-a-dia…

Eu sempre ouvi dizer que os pilares da falecidade são: Ter um filho, plante um árvore e escreva um livro. Bem, eu escrevo um blog dá quase no mesmo, já plantei inumeras árvores e tenho o meu jardim florido, e tenho a Branca, minha filhota de 4 patas. Tive que adaptar neste último, já que as tentativas de ter um bebê não tem sido lá um sucesso, e depois dos 40 as probabilidades são ainda menores. Coisas da vida… Porém, aquela sensação de felicidade, dever cumprido segundo os pilares da felicidade não existe. Eu não sei o que é. Ao contrário dos pilares, o que me deixa feliz é viajar. Poder voar, conhecer novas cidades, pessoas e culturas, isso sim é felicidade. Creio que deveria ter nascido um pássaro para poder voar livre e viajar para onde pudesse e minhas asas me levassem, aí sim, seria incondicionalmente feliz…

Entretanto, este ano para mim, o meu inferno astral tornou-se quase que um despertar. Resolvi que esta vida perfeitinha está perfeitinha demais e eu não quero que seja assim. Comecei uma batalha pessoal anti-estagnação, saindo da minha zona de conforto que é isso que nos faz crescer.

Resolvi que voltaria a escola, e lá estou. Mesmo que em um curso de sueco do qual eu já deveria ter me livrado e terminado há algum tempo se não tivesse me acomodado com o meu trabalho e a chance de arrumar algo melhor tendo referências. Isso não aconteceu e creio que não acontecerá. Então resolvi conquistar um diploma universitário, ainda que como tecnólogo, mas algo que me trará um resultado no futuro. Claro que levará tempo para terminar o curso, afinal ainda tenho que seguir com o sueco até chegar no mínimo exigido nos certificados (betyg), mas já dei o primeiro passo. Aliás, o segundo, uma vez que consegui pular um dos cursos porquê estava em um nível mais avançado devido ao sueco que aprendi trabalhando e tendo contado por nativos.

Enfim, espero realmente que este ano seja um ano de virada e descobertas pois afinal, é exatamente sobre o que o texto acima fala: todos nós ganhamos 86 400 segundos de vida diariamente, e cabe apenas à nós resolver como ele será utilizado.

Agora vou ali fazer os planos de como celebrar mais este ano, já que dia 30 está logo ali 😉

Vi ses, hej då! 😉

Um chá com Edith Piaf

2015-03-14 18.44.05

Na sexta passada, dia 6, estive na Svenska Kyrkan aqui em Lidköping para comprar bilhetes para um concerto que acontecerá amanhã na Nicolaikyrkan. Enquanto aguardava a recepcionista que estava ao telefone me atender, ouvi em sua conversa que uma outra pessoa, responsável pelo local, estaria na Igreja no show de Edith Piaf.

Sei bem que Edith Piaf faleceu há muitos anos, bem antes mesmo que esta que vos escreve nascer, por isso sei que qualquer concerto em sua homenagem à ela não pode ser feito por qualquer principiante inexperiente. Quando a atendente desligou o telefone, eu me desculpei por ter ouvido sua conversa,  e perguntei se era algum evento que estaria acontecendo na igreja e se eu poderia assistir. Ela disse que sim, porém, não seria na igreja e sim no salão paroquial, do outro lado da praça, e que começaria em alguns instantes. Se eu quisesse assistir não teria problema algum, mas o bilhete custaria 100kr. Paguei pelo bilhete e pelos outros que fui buscar para o concerto e me apressei…

Chegando em Nicolaigården que eu fui olhar no bilhete, e descobri que além do concerto, seria servido também um fika (afinal, estou na Suécia, e fika é mais do que um tradicão, é um ritual). Era quase uma reunião da terceira idade sueca, mas com uma atmosfera muito agradável. Degustei alguns muffins deliciosos e muito chá enquanto aguardava a apresentacão. Fiz, inclusive, alguns amigos 😉

edith-piaf32933

Logo à seguir, foram apresentadas a cantora Ida Andersson, e a pianista Annika
Pålsson, que seriam responsáveis por uma apresentacão impecável juntamente com uma narrativa sobre a vida de Edith. Uma espécie de time-line entre fatos da vida e músicas que representavam o momento em questão. Tudo delicadamente preparado e apresentado para o nosso deleite. Ida Andersson, embora pequena é dona de uma voz incrível, com uma entonacão que muitas vezes aproximava-se da voz de Piaf a ponto que fechando os olhos dava para imaginá-la alí.

Enfim, foi um happy hour inesperado, mas muito prazeroso, que espero repetir muitas vezes. Afinal, nada acontece por estas bandas. Quando acontece, geralmente eu estou escalada e trabalhando. Creio que assim como eu, deva ter mais pessoas que apreciem uma boa música, e conheça a obra de um dos maiores ícones de todos os tempos.

Sobre Édith Piaf

Édith Giovanna Gassion, (Paris, 19 de dezembro de 1915 — Plascassier, 11 de outubro de 1963), ou simplesmente, Édith Piaf foi uma cantora francesa de música de salão e variedades, mas foi reconhecida internacionalmente pelo seu talento no estilo francês da chanson.

O seu canto expressava claramente sua trágica história de vida. Entre seus maiores sucessos estão “La vie en rose” (1946), “Hymne à l’amour” (1949), “Milord” (1959), “Non, je ne regrette rien” (1960). Participou de peças teatrais e filmes. Em junho de 2007 foi lançado um filme biográfico sobre ela, chegando ao cinemas brasileiros em agosto do mesmo ano com o título “Piaf – Um Hino Ao Amor” (originalmente “La Môme”, em inglês “La Vie En Rose”), direção de Olivier Dahan.

Édith Piaf está sepultada na mais célebre necrópole parisiense, o cemitério do Père-Lachaise. Seu funeral foi acompanhado por uma multidão poucas vezes vista na capital francesa. Hoje, o seu túmulo é um dos mais visitados por turistas do mundo inteiro.

Leia meia sobre a vida de Piaf aqui

Espero que tenham gostado. Vi ses! 🙂

Pesadelo teatral!

Dias atrás estive em Vara Konserthus para assistir à uma peça com o pessoal do trabalho. A peça tratava das aventuras de um rapaz com a síndrome de asperges (um tipo de autismo) e as dificuldade de se relacionar com a família e o mundo.

2015-03-14 21.14.36

Um espetáculo muito bom, mas o que eu queria contar aqui não é isso, e sim, minha experiência vivida no teatro. Ou melhor, contar o pesadelo vivido no teatro. Sei que vocês não devem estar entendendo nada, mas o que acontece, é que fiquei perplexa em como as pessoas estão se comportando… como estão tão dependentes das suas pequenices tecnológicas que já não mais respeitam as regras ou pessoas que os cercam.

Bem é sabido que ao entrar em cinemas, teatros e qualquer outro recinto onde alguém está se apresentando ou palestrando, o que quer que seja, os aparelhos celulares e muitas das vezes as câmeras fotográficas devem ser desligadas antes do início da apresentacão, mas infelizmente não foi bem isso que eu presenciei, e não de apenas uma pessoa.

No escurinho do teatro, luzes que mais pareciam uma constelacão brilhavam de todos os lados nas cadeiras do recinto. Como eu estava sentada em uma das filas no final e a mesma ficava bem acima do nível das outras, eu pude ver e ser perturbada por estes seres abomináveis e seus smartphones. Para todo os lados que se olhava tinha alguém logado no Fabecook, Whatsapp, Twiter e outras coisas mais…

Eu fico pensando, o que leva uma pessoa a pagar caro por um bilhete de teatro (e olha que aqui na Suécia qualquer evento é muito caro) para ficar de papo no Whatsapp ou Facebook? Onde foi parar o respeito com as pessoas que passam dias a fio treinando para fazer um espetáculo perfeito e contar a sua história para pessoas que não estão nem aí para o que está acontecendo lá em cima do palco? E o que é pior, fazem com que as outras pessoas que estão à sua volta, e interessadas, não possam apreciar o mesmo?

Se por um lado é legal ver que os jovens estão saindo de casa, de suas tocas e de seus PCs, por outro lado, eles não estão desligados 100% de seus núcleos e os trazem à tira-colo para onde quer que vão… O ó viu?

Bem por hoje foi só um desabafo rápido já que não dá para pular no pescoço de todos os pentelhos do mundo, não é mesmo?

Hej då allihoppa! 😉

2015-03-14 18.41.47

Den Besynnerliga Händelsen med Hunden om Natten, de Simon Stephens

Títilo original: The Curious Incident of the Dog in the Night-Time

Escrito por: Mark Haddon

Den Besynnerliga Händelsen med Hunden om Natten, conta a história de um menino, Christopher, que escreve um livro para contar algo interessante que aconteceu com ele: encontrar o cachorro da vizinha morto, assassinado com um rastelo. Christopher então decide resolver o mistério e encontrar o assassino, e sai em busca de respostas. No entanto, as perguntas cujas respostas ele finalmente encontra são de uma natureza infinitamente mais profunda e complexa – questões sobre sua família, sua história, sua identidade. Ao tentar solucionar o crime, o menino encontra verdades as quais são ao mesmo tempo novas e desconcertantes. Ele descobre, por exemplo, que sua mãe, a qual ele pensava estar morta, está na verdade viva e em um segundo casamento. Ele também descobre que seu pai fora o culpado por esconder isso dele. Mas essas são apenas algumas das suas mais negativas descobertas – ele também descobre em si mesmo forças e capacidades que ele nunca havia imaginado: ele viaja sozinho, encontra sua mãe, escreve um livro. E como se isso não bastasse, ele passa por cima de uma limitação real, uma limitação mental: Christopher é um garoto autista, portador da Síndrome de Asperger. Resenha: Manuela Volaco

Aventurando na cozinha

Hoje queria comer algo diferente, e por isso resolvi que iria fazer minha própria pasta. Já faz tempo que comprei a máquina para fazer pastel, como não deu certo eu a aposentei. Hoje a bichinha teve sua nova chance.

Eu encontrei um vídeo no Youtube explicando como preparar a receita e manusear a máquina de forma correta, e lá fui eu colocar as mãos literalmente na massa. E não é que o resultado deu super certo e a massa ficou uma delícia…

Fetuccine

Para quem quiser testar, segue aqui o link da receita. Agora vou ali assistir TV para descasar do almoço 😉

Kram och puss, hej då! 🙂

Snoppen och Snippan e a gurizada!

A Suécia é um país que tem uma moral um tanto quanto peculiar no que diz respeito à criança. Desde pequenos, eles aprendem na escola os seus direitos para que possam se defender legalmente em caso de mals tratos, o que muitas vezes acaba gerando muitos problemas quando as crianças fazem algum tipo de comentário sobre uma repreensão mais severa na escola e alguém interpreta mal. Ocasionalmente, um  professor ou, alguém na escola acaba por chamar a polícia para o pai ou a mãe que tenha “castigado” ou tratado de uma forma mais ríspida o seu filho. Tudo para proteger os anjinhos contra as maldades do mundo. Há quem concorde, eu particularmente tenho lá minhas ressalvas. Assim, como acontece no Brasil, o direito das crianças tomaram uma proporção tamanha que eu tenho medo que a próxima geração seja formada por verdadeiros monstros.

Digo isto, pois conheço um pai aqui na Suécia, amigo nosso, que parou na delegacia depois do filho, de 8 anos, reclamar na escola que foi repreendido por ele. Motivo: Já eram quase 22:00hs e o pai mandou que ele desligasse o playstation e fosse dormir que já estava tarde, como ele se recusou, o pai arrancou o bicho da tomada e botou o moleque de castigo no quarto, sem videogame por uma semana. Isso foi o suficiente para este pai ter que ir à delegacia e, ao equivalente ao juizado de menores aqui para se explicar. Foram quase 2 meses de investigações e transtornos pelo simples fato de a palavra da criança hoje valer mais do que a dos pais. Pensando em colocar o seu moleque de castigo? Pense 2 vezes se é uma boa idéia… Mas enfim, este não é este o ponto…

O caso é que este excesso de proteção que existe por um lado, por outro lado ele é bem questionável, haja vista, os programas que são liberados em horários em que os pirrálhos tem total acesso à TV. Desenhos, que no Brasil passariam ou passam no meio da madrugada, como o Family Guy, aqui passa repetidas vezes durante o dia. Muitas vezes, eu pergunto para o meu marido se isto realmente está de acordo com a faixa etária da mulecada, e ele até acha um pouco pesado, mas não entende o meu questionamento. Eu já expliquei para ele várias vezes como funciona a regulamentacão da TV no Brasil, que embora aqui fora seja visto como um país “promíscuo”, com mulheres semi-nuas apresentando programas infantis, como mostrou o desenho dos Simpsons em um episódio que mostra quando estiveram no Rio de Janeiro, na verdade, a coisa é sim muto bem controlada, passível de multas altíssimas para os infratores. Porém, ele acha bem normal…

Aí você já deve estar se perguntando que tipo de programação infantil existe na Suécia? Pois bem, Snoppen och Snippan é o nome de um desenho animado que é veiculado no Barnkanalen (Canal da criança) na TV sueca. Até aí nada de mais, não fosse o fato de Snoopen och Snippan se tratar de um desenho onde os personagens principais são os orgãos sexuais masculino e feminino. E isso não é piada, é a pura verdade. Não há o menor problema para os pais em deixarem as crianças assistirem à ele. São vários personagens e todos eles em forma de pênis e vaginas. Uma coisa de doido 🙂

Os personagens tornaram-se virais na net, tendo sido apresentado em vários programas pelo mundo, na maioria das vezes, claro, fazendo gozações pelo fato incomum dos seus personagens. O sucesso do programa é tanto que a música tema tem sido gravada por alguns famosos aqui 🙂 coisa de sueco mesmo, não?

Aqui segue a letra da música, assim vocês podem acompanhar direitinho:

Popi-dopp-pop snippedi snopp!
Här kommer snoppen i full galopp.
Han som inga brallor har
dinglar med snoppen och rumpan bar.
Snippe-dipp-dipp-snippedi-do!
Snippan är häftig, ja det kan du tro.
Till och med på en gammal tant
snippan sitter där så elegant.

Så olika med nästan samma grej
Kissa kiss igenom snoppen eller snippan om man är tjej.

Snoppen och snippan vilket härligt gäng
Snippan och snoppen sjunger vår refräng
Snoppen och snippan finns på vår kropp
Snippe-dipp-dipp-snippedi-snopp!

Popi-dopp-op-snippedi-snopp
Hänger och slänger på en liten kropp
Snippe-dipp-dipp-snippedi-do
Snippan är häftig, Baby I Love You.

Claro que eu sou legal e a traducão está aí para vocês entenderem: Popi-dopp-pop snippedi snopp!

Aí vem o snopp (pinto) em pleno galope.
Aquele que não tem as calças
snoppen vem se balançando sem as roupas.
Snippe-dipp-dipp-snippedi-do!
Snippan (periquita) é bem legal, acredite ou não.
Mesmo em uma velha senhora
snippan é muito elegante.

São tão diferentes, mas quase a mesma coisa
Faz xixi pelo snoope, ou pela snippan, se você é uma menina.

Snoppen e snippan que um bela turma
Snippan e snoppen cantam o nosso refrão
Snoppen e snippan estão em nosso corpo
Snippe-Dipp Dipp-snippedi-snopp!

Popi-dopp-op-snippedi-snopp
Balança pendurado em seu pequeno corpo
Snippe-Dipp-Dipp-snippedi-do
Snippan é legal, Baby, Eu te amo.

A traducão é tão sem nocão quanto a música em si, mas enfim, se alguém conseguir traduzir melhor, pode palpitar na boa, sem rancores, ok?

Aí um vídeo veiculado uma TV norte americana ao programa. Uma tirada gozadora, mas mostrando bem o puritanismo da terra do Tio Sam.